Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Projeto e atividades > Conversas na calçada como forma de prevenção às arboviroses
Início do conteúdo da página

Conversas na calçada como forma de prevenção às arboviroses

Escrito por Matheus Carvalho da Cruz | Criado: Terça, 25 Julho 2017 13:10 | Publicado: Terça, 25 Julho 2017 13:10 | Última atualização: Terça, 25 Julho 2017 13:10 | Acessos: 804

Iniciativa do interior do Rio Grande do Norte será apresentada durante a Feira de Soluções para a Saúde.

“São casas simples com cadeiras na calçada...” o costume tão brasileiro, já cantado pelos poetas Vinicius de Moraes e Chico Buarque, tem ajudado na sensibilização da população de Mossoró (RN) para o controle do mosquito Aedes aegypti. Revitalizado em fevereiro deste ano, o projeto “Roda de Conversa na Calçada Amiga” consiste em convidar moradores de uma determinada área de um bairro para conversar e com uma linguagem simples, clara e objetiva responder questionamentos da comunidade. O resultado é uma redução drástica no índice de infestação – bairros onde o percentual era de 23% reduziram a zero a presença do mosquito, em outros houve queda de 50 %.

Agentes de saúde, qualificados para desenvolverem atividades de educação em saúde, promovem rodas de conversas nos bairros onde a situação é mais crítica e lá permanecem entre uma e duas semanas, a depender da necessidade local. Para estimular a participação, os agentes percorrem as ruas convidando moradores para uma conversa. Feita a roda, os moradores são instigados a contar a ocorrência em suas famílias de casos de arboviroses transmitidas pelo Aedes – dengue, zika ou chikungunya e a fazer correlação com o ambiente que habitam e trabalham. Ao final, os agentes saem em campo vistoriando casas e quintais, eliminando criadouros e orientando para evita-los.

O encontro com os moradores finaliza com a apresentação de uma peça de teatro denominada “Xô dengue”. Nela, acontece um diálogo entre uma dona de casa e o mosquito, que usando uma linguagem leve e divertida induz os moradores a refletir sobre atitudes e ações que ajudam a combater o vetor. Uma articulação com as UBS – Unidades Básicas de Saúde, com os CRAS – Centros de Referência de Assistência Social e com as escolas do bairro é feita para que as ações de controle prossigam após as ações de intensificações.

Esta é uma das dezenas de atividades que serão apresentadas na Feira de Soluções para a Saúde – Zika, que será realizada de 8 a 10 de agosto no Cimatec em Salvador, BA. Clique aqui para conhecer o site da Feira, que traz as experiências já cadastradas e fazer sua inscrição. Reunindo parceiros nacionais e internacionais, a Feira é coordenada pela Fiocruz Brasília e pelo Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde da Fiocruz Bahia (Cidacs).

 

Por Valéria Padrão

 

Fiocruz Brasília

Fim do conteúdo da página